Cirurgia de descolamento de retina

O vítreo é uma espécie de gelatina transparente que preenche o globo ocular, firmemente preso à retina. Com o envelhecimento, o vítreo pode soltar-se sem que isto, obrigatoriamente, cause danos à visão. Entretanto, ao soltar-se, o vítreo às vezes rasga a retina em um ou mais pontos de maior aderência. Se isto ocorrer, o vítreo pode passar pelo(s) rasgo(s), e provocar o descolamento da retina. Se o descolamento for parcial, a visão pode perder a nitidez. Em caso de descolamento total, a visão pode desaparecer.

A doença geralmente ocorre após os 40 anos. Apresentam possibilidade de desenvolvê-la, as pessoas que possuem história de descolamento de retina na família, as que têm miopia ou glaucoma e as que se submeteram à cirurgia de catarata. Os socos ou acidentes que resultem em ferimento, pancada ou batida forte no olho, na face ou na cabeça podem, também, provocar descolamento de retina. A doença pode ser, ainda, causada por tumores, inflamações graves ou complicações do diabetes.

Os descolamentos de retina são tratados por cirurgias destinadas a pressionar a parede do globo ocular contra os rasgos da retina, mantendo os tecidos juntos até que os rasgos cicatrizem-se.

A técnica escolhida dependerá das características do problema e do dano ocorrido. As cirurgias de descolamento de retina são realizadas em centro cirúrgico sob anestesia local ou geral. Nos casos de descolamentos mais complexos pode haver ainda necessidade de uma vitrectomia, em associação com outras técnicas.