Sobre nós

Na MEG – OftalmoDay Dra. Edelzuita Castro você encontra as modernas tecnologias de cirurgias oftalmológicas de catarata, retina, glaucoma, plástica ocular, procedimentos a laser para deixar de usar óculos, resolvendo problemas como miopia, hipermetropia, astigmatismo e vista cansada, além da indicação, adaptação e acompanhamento do uso de lentes de contato.A MEG teve o seu inicio em 1988, surgindo como uma empresa prestadora de serviços médicos nas especialidades de oftalmologia clinica e cirúrgica, pediatria, ginecologia e obstetricia. Ao longo dos anos, outras especialidades foram incoporadas, tais como clinica médica e gastroenterologia, infectologia, dermatologia e otorrinolaringologia.Há mais de 10 anos, foi criado o seu moderno Centro Cirurgico Oftalmológico, no bairro Itaigara, no edifício Centro Odonto-Médico Linus Pauling, ocupando hoje uma área de 300 mts quadrados, incluindo o seu arrojado DAY HOSPITAL OFTALMOLOGICO.Associamos a alta tecnologia a um tratamento humanizado e próximo do cliente.

Equipe Oftalmo

Outras especialidades

A MEG conta com uma equipe altamente capacitada em diversas especialidades médicas, tais como dermatologia, clinica médica e gastroenterologia, infectologia, pediatria e otorrinolaringologia, oferecendo um atendimento aos seus pacientes com total respeito, profissionalismo e carinho.

dermatologia

DERMATOLOGIA

DERMATOLOGIA

SAIBA MAIS
otorrinolaringologia

otorrinolaringologia

otorrinolaringologia

SAIBA MAIS
ginecologia

ginecologia

ginecologia

SAIBA MAIS
INFECTOLOGIA

INFECTOLOGIA

INFECTOLOGIA

SAIBA MAIS
Pediatria

Pediatria

Pediatria

SAIBA MAIS
gastroenterologia

CLÍNICA MÉDICA gastroenterologia

CLÍNICA MÉDICA gastroenterologia

SAIBA MAIS

Na MEG, contamos com a parceria do gastro e clínico geral:

Convênios

A Meg Medicina atende a vários planos de saúde e aceita os principais cartões de crédito.

sulamerica-logo
  • APUB
  • ASFEB
  • ASSEFAZ
  • CASSEB
  • CORREIOS
  • Embratel
  • Gama
  • Golden Cross
  • Life
  • Mediservice
  • Notredame
  • Petrobras Distrib.
  • Petrobras
  • Plan-Assiste
  • Planserv
  • Pro-Social
  • Saúde Caixa
  • Sms
  • trt saúde
  • Unafisco

Onde estamos

Contato

Para dúvidas, sugestões ou informações, entre em contato conosco.

CENTRO MÉDICO LINUS PAULING

Rua Altino Serbeto de Barros, 119, Salas 205, 206, 207, 405, 406 e 1101 - Itaigara. Cep 41.830-492 - Salvador - BA

HORÁRIO DE ATENDIMENTO

Segunda à Sexta das 08:00h às 19:00h Sábado das 08:00h às 12:00h

CONSULTAS E EXAMES

(71) 3358-2260 / 3358-9250

SIGA-NOS!

Dra. Edelzuita Castro

oftalmologista

CRM: 4749
Médica oftalmologista graduada pela Universidade Federal da Bahia - UFBA, com residência e especialização no Instituto Brasileiro de Oftalmologia e Prevenção da Cegueira - IBOPC. Membro da Sociedade Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa. Fundador e Presidente do MEG - Oftalmoday Dra. Edelzuita Castro desde 1988. Membro da Sociedade Brasileira de Glaucoma.

Dra. Marcia Ishiwaki

oftalmologista

CRM: 12603
Graduada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Membro da Academia Americana de Oftalmologia; membro da Sociedade Americana de Especialistas em Retina.

Dra. Laís Ferreira Picanço

OFTALMOLOGISTA

Médica oftalmologista graduada pela Universidade Federal da Bahia - UFBA, com residência e especialização em Instituto Brasileiro de Oftalmologia e Prevenção da Cegueira - IBOPC e especialização em Fellowship em Glaucoma também pelo Instituto Brasileiro de Oftalmologia e Prevenção da Cegueira - IBOPC.

Dra. Débora Luna

oftalmologista

CRM: 17815
Graduada pela Escola Bahiana de Medicina.

Dra. Clara

oftalmologista

CRM: 18939
Graduada pela Escola Bahiana de Medicina, com especialização pela Universidade de São Paulo.

Dr. Maximo Manfredi

oftalmologista

CRM: 12572
Médico oftalmologista graduado pela Universidad Del Salvador Buenos Aires Argentina, com residência em Oftalmologia na Santa Casa de São Paulo. Subespecialidade em Catarata, Glaucoma, Córnea.

Dra. Ana Estevez

Oftalmologista

CRM: 5101
Formada pela UFBA - Universidade Federal da Bahia Especialização em córnea, catarata e cirurgia refrativa pela UFBA e Hospital Hilton Rocha em Belo Horizonte. Título de especialista em Oftalmologia emitido pelo CBO em janeiro de 1980.

Dra. Camila Teixeira

oftalmologista

CRM: 026345
Formada em Medicina pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Residência Médica em Oftalmologia no Hospital Universitário Professor Edgard Santos - UFBA. Fellowship em Córnea e Doenças Externas no Hospital Universitário Professor Edgard Santos - UFBA. Título de Especialista em Oftalmologia conferido pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia e Associação Médica Brasileira.

Dra. Josete Matienzo

oftalmologista

CRM: 16514
Oftalmologista, especialista em plástica ocular, visando restabelecer a função estética em pálpebras, vias lacrimais e orbita. Graduada pela Escola Bahiana de Medicina, realizou o curso de Especialização em Plástica Ocular entre 2007 e 2009 na Universidade Federal de Goiás, onde também realizou um Residência Médica entre 2004 e 2007.

Dra. Marilia Vitoriano Portela

oftalmologista

CRM: 7186
Graduada em Medicina pela Universidade Federal da Bahia em 1981. Título de especialista em Oftalmologia pela Associação Médica Brasileira em 1983. Título de especialista em Oftalmologia pelo Conselho Federal de Medicina em 1992. Atuando na Oftalmologia clínica geral desde 1983.

Dra. Mariuche Castro

oftalmologista

CRM: 9062
Formada pela Escola Bahiana de Medicina. Residência no Hospital das Clínicas - Salvador/BA. Especialista em Ultrassonografia Ocular e Retina.

Meg Medicina - Perfil-Medico

Dra. Catheryne Reis

DERMATOLOGISTA

CRM: 20744
Formada pela Universidade Federal da Bahia. Residência em Clínica Médica pela UFS - Universidade Federal de Sergipe - SE Residência em Dermatologia pela UEL - Universidade Estadual de Londrina - PR Título de Especialista em Clínica Médica e Dermatologia Já trabalhou no Hospital São Rafael, Clivale clínica, Clid clínica e Dermaclinica-SP.

CARINE VELOSO

Dra. Carine Veloso de Carvalho

DERMATOLOGISTA

CRM: 17153
Formada pela Escola Bahiana de Medicina. Residência de dermatologia no Instituto Lauro de Souza Lima São Paulo. Titulo de especialista em dermatologia RQE 9999.

Dr. Orisvaldo Rodrigues

CLÍNICO GERAL E GASTRO

CRM: 5507
Graduado pela Universidade Federal da Bahia - UFBA, com especialização em clínica médica pela mesma instituição, além de especialização em Admistração Hospital pela Faculdade São Camilo. Vasta experiência no atendimento de clínica geral e gastroenterologia, como no Serviços de Corpos Clinicos da UFBA e da Prefeitura de Salvador.

Dra. Maria Angélica Albuquerque

ginecologista

CRM: 5271
Médica ginecologista graduada pela Escola Bahiana de Medicina, com especialização em Ginecologia e Prevenção de Câncer pelo Hospital Aristides Maltez. Membro da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia da Bahia.

Dra. Júlia Lopes

Otorrinolaringologista

CRM: 02634
Formada em Medicina pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Residência Médica em Otorrinolaringologia no Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos (HUPES/UFBA). Atua em Otorrinolaringologia geral, Otorrinolaringologia pediátrica, Laringologia, voz e distúrbios da deglutição

Dra. Eliene Dória

PEDIATRA

CRM: 3338
Graduada em Medicina pela Universidade Católica do Salvador (1973). Com vasta experiência, já trabalhou em locais como Hospital Municipal Simões Filho, Hospital Ana Nery, Clínica de Pneumologia e alergia da Bahia, dentre outros. Especialista em Saúde Pública (Universidade de Ribeirão Preto em convênio com a Associação Baiana de Medicina).

Dra. Laurência Vânia

INFECTOLOGISTA

CRM: 9523
Formada em Medicina pela EBMSP - Escola Bahiana de Medicina. Residência em Clinica Médica e Infectologia. Especialista em Infectologia. Mestrado em Medicina e Saúde . Infectologista no Hospital das Clinicas - Salvador- Bahia. Professora de Doenças Infecciosas na UNIFACS Coordenação do Serviço de Controle de Infecção - Hospital Ana Neri.

Dra. Viveca Braga

ANESTOLOGISTA

CRM: 6700
Formada em Medicina pela Universidade Federal de Pernambuco. Residência em anestesiologia no Hospital das Clínicas, Universidade Federal da Bahia.
Médica concursada do Ministério da Saúde. Médica concursada da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Preceptora na residência médica em anestesiologia do Hospital Edgard Santos, UFBA.

Heliane Faria

Dra. Heliane Farias

PEDIATRA

CRM: 4592
Graduada pela Universidade Federal da Bahia, com especialização em Pediatria pela mesma Universidade, com anos de experiência e atuação na área.

DERMATOLOGIA

A Dermatologia é uma especialidade médica cuja área de conhecimento se concentra no diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças e afecções relacionadas à pele, pelos, mucosas, cabelo e unhas.
É também especialidade indicada para atuação em procedimentos médicos estéticos, cirúrgicos, oncológicos.

otorrinolaringologia

A otorrinolaringologia cuida de algumas das funções e sentidos do corpo humano mais importantes para uma vida saudável: o olfato, a fala, a respiração, a audição e o equilíbrio.
É uma grande área que trata, pesquisa e acompanha, problemas como: infecções e inflamações das vias aéreas, distúrbios digestivos, da fala, audição, cefaléias (ou as famosas dores de cabeça), tonturas, zumbidos, tosse, trauma facial, e ainda com possibilidade de exercer a terapia especializada em radiologia, endoscopia, cirurgias no segmento cérvido-facial e eletrofisiologia.

GINECOLOGIA

Ginecologia é a parte da medicina que estuda a fisiologia e as patologias do aparelho reprodutor feminino. Os médicos especializados na prática ginecológica são os ginecologistas. Sua formação e qualificação, tanto médica quanto cirúrgica, tem por objetivo o tratamento dos aspectos relacionado à função reprodutora e sexual das mulheres.
O principal objetivo do exame ginecológico é a avaliação dos órgãos pélvicos internos e externos femeninos: o útero, os ovários, as trompas de falópio, colo do útero, a vagina, os grandes e pequenos lábios e as mamas. Consultas ginecológicas são recomendadas a partir da maturidade sexual e devem ser mantidas mesmo após a menopausa, com o objetivo de prevenir patologias tão comuns nos dias atuais e que afetam a vida das mulheres.

INFECTOLOGIA

A INFECTOLOGIA é o ramo da medicina que trabalha no diagnóstico, tratamento e acompanhamento dos pacientes acometidos por doenças infecciosas, parasitárias, causadas por vírus, bactérias, fungos, protozoários ou outros microorganismos. Dentre as doenças tratadas pela Infectologia, as mais comuns são as gripes, meningite, abcessos cerebrais, sinusite, bronquite, pneumonia, hepatite, doenças sexualmente transmissíveis, tuberculose, infecções da pele e dos ossos e algumas doenças tropicais.

PEDIATRIA

A Pediatria é uma especialidade da Medicina que estuda, trata e acompanha o ser humano desde o seu nascimento até a adolescência, ou ainda antes dele, na fase perinatal, quando há necessidade.
O pediatra busca essencialmente fins preventivos, que incluem imunizações (vacinas), aleitamento materno, como também realiza o acompanhamento da criança e do adolescente através de orientações necessárias ao seu crescimento e desenvolvimento saudáveis, além dos tratamentos das diversas patologias que os acometem.

CLINICA MEDICA E GASTROENTEROLOGIA

O clínico geral tem uma visão global do organismo humano e é responsável por diversos diagnósticos e tratamentos. Dentre as doenças mais comuns que ele pode ajudar a prevenir e controlar estão a obesidade, (leve e/ou moderada), hipertensão, hipercolesterolemia, diabetes, osteoporose, deficiência de vitaminas e minerais, gastrite, anemias, algumas infecções (de pele, pulmonares, urinárias e intestinais), alergias, dores em diversas partes do corpo e até alguns transtornos de ansiedade.
Gastroenterologia é uma especialidade médica que trata do sistema digestivo. Dessa forma, o especialista em gastroenterologia cuida da prevenção e de patologias de órgãos como boca, esôfago, estômago, vesícula biliar, pâncreas, fígado, intestino grosso e delgado, cólon e íleo.

BIOMETRIA ÓTICA (IOL700 DA ZEISS)

Ceratoscopia Computadorizada, também conhecida como Topografia da Córnea, é o exame que revela as variações da curvatura da córnea, possibilitando o diagnóstico de patologias da superfície corneana, sendo o ceratocone a mais comum. É útil no estudo dos astigmatismos e também bastante utilizada para a adaptação de lentes de contato.

CERATOSCOPIA

Também conhecida como Interferometria, a Biometria Ótica é o exame pré-operatório imprescindível na cirurgia de catarata, pois é através deste que se calcula o grau da lente intraocular a ser implantada no procedimento cirúrgico. Ao extrair a catarata, não se pretende somente retirar a opacidade que ela causa, mas também restaurar a capacidade visual do olho sem auxílio de óculos ou lentes de contato.
O aparelho IOLMaster 700 da Zeiss oferece uma das mais inovadoras tecnologias de Biometria, de altíssima precisão, qualidade, segurança, através de uma completa análise 3D da estrutura ocular, possibilitando resultados mais efetivos para o sucesso da cirurgia.

MICROSCOPIA ESPECULAR DA CORNEA

A Microscopia é o exame que fotografa as células da camada mais interna da córnea, conhecida como endotélio, realizando a contagem do número de células endoteliais da córnea e analisar o aspecto das mesmas, identificando qualquer degeneração ou atrofia do tecido.. Ela é utilizada em pré-operatório de cirurgia intraocular em geral, tais como na cirurgia de Catarata, de Glaucoma, de Transplante de córnea, assim como nas doenças propriamente ditas da córnea.

PAQUIMETRIA ULTRASSONICA E OTICA

A Paquimetria é utilizada para medir a espessura da córnea. É um exame indolor, de rápida execução, que não altera a visão. Muito utilizada em casos de glaucoma, ceratocone, cirurgia refrativa, transplante de córnea, edema de córnea e várias outras doenças que podem ocasionar alteração na espessura corneana.

FOTOCOAGULAÇAO DE RETINA / LASER VISULA 532 (ZEISS)

A Fotocoagulação a laser é um procedimento utilizado no tratamento de diversas doenças que afetam os vasos sanguíneos localizados na retina através da aplicação de feixes de laser na região afetada para a sua micro cauterização, restabelecendo a fixação da estrutura danificada pela doença a qual o paciente foi acometido.

CAPSULECTOMIA, IRIDOTOMIA E IRIDOPLASTIA / IAG LASER VISULA 532 (ZEISS)

CAPSULECTOMIA: É um procedimento indicado principalmente após alguns casos de cirurgia de catarata que visa tratar a opacificação da cápsula posterior do cristalino com segurança, eficácia e sem dor. IRIDOTOMIA: Também conhecida como iridotomia periférica, é um procedimento cirúrgico que consiste na realização de um pequeno furo na periferia da íris, com o objetivo de regular a pressão intra ocular como prevenção ao glaucoma de ângulo fechado ou estreito. IRIDOPLASTIA: A iridoplastia periférica com laser de argônio é um tratamento que visa a abertura do ângulo nos casos em que a iridotomia periférica a laser não foi possível ou não foi eficaz. O procedimento consiste na aplicação de disparos na extrema periferia da íris, de forma a promover sua contratação e afastamento da malha trabecular.

ANGIOFLUORESCEINOGRAFIA

É um procedimento de diagnóstico que utiliza uma câmera fotográfica especial para tirar uma série de fotografias da retina, que é a camada sensível à luz e que reveste o interior do globo ocular. Um corante, fluoresceína sódica, é injetado numa veia do braço para a realização do exame. O corante vai do sistema venoso para a circulação arterial e atinge o globo ocular. Esse procedimento é freqüentemente confundido com exames radiográficos que utilizam iodo, mas não é o caso. Na medida em que o corante passa através dos vasos da retina, são tiradas fotos, utilizando-se um filtro azul. Normalmente os vasos retinianos são impermeáveis ao corante. Se os vasos não estão normais, o corante extravaza do sistema vascular para a retina. Lesões nas estruturas abaixo da retina ou vasos sangüíneos anômalos também podem ser mostrados. O tipo de anomalia e a localização precisa podem ser determinados através de uma interpretação cuidadosa dessas fotografias.

TOMOGRAFIA DE COERENCIA OPTICA / OCT HD CIRRUS (ZEISS)

A Tomografia de Coerência Óptica tem como objetivo diagnosticar com grande precisão doenças da retina, vítreo e nervo óptico, através da medição das camadas das estruturas oculares como a da retina, bem como doenças degenerativas da mácula em estágio inicial. Analisa também a escavação do nervo óptico em casos de glaucoma. Este exame pode ser indicado para pacientes com intolerância ao contraste endovenoso.

ANGIOGRAFIA COM INDOCIANINA VERDE VISUCAM (ZEISS)

Também conhecida como indocianinografia verde, é utilizada para avaliar principalmente a circulação da coroide. Sua indicação é feita no diagnóstico e acompanhamento de doenças como a vasculopatia polipoidal, coriorretinopatia serosa central, alguns casos de degeneração macular relacionada à idade, tumores oculares, dentre outros.

ADAPTAÇAO PARA USO DE LENTES DE CONTATO

Para pessoas que precisam de correção de visão, mas não querem usar óculos, as lentes de contato oferecem uma solução fácil e, podemos dizer, invisível. Lentes de contato são discos de plástico finos e transparentes colocados na córnea. Como os óculos, elas corrigem erros de refração, como miopia, hipermetropia e astigmatismo. As lentes de contato podem ser duras, gelatinosas, híbridas, incolores ou coloridas, monofocais ou ainda bi ou multifocais. Na adaptação e controle das lentes de contato é fundamental a avaliação do médico oftalmologista para manter a integridade da visão e minimizar os riscos existentes no uso das lentes. A prevenção com o exame periódico das córneas é o que garante uma adaptação confortável e segura.

CAMPO VISUAL COMPUTADORIZADO HUMPHREY

A MEG dispõe do campo visual mais preciso e conceituado em todo o mundo, o Humphrey. O Campo Visual Computadorizado avalia os defeitos do campo visual e escotomas (áreas sem visão) causadas por algumas patologias. Exame altamente confiável para acompanhamento de alterações no campo visual. É indicado nos casos de Endocrinopatias, Maculopatias, Neuropatias e é essencial no diagnóstico e acompanhamento de pacientes com glaucoma (diagnóstico precoce e acompanhamento da doença). As principais vantagens da campimetria computadorizada são: monitorização constante da fixação; capacidade de reteste automáticxo de pontos anormais.

CURVA TENSIONAL DIÁRIA

Consiste na medição da pressão intra-ocular em diferentes horários ao longo do dia. É muito importante no diagnóstico e no monitoramento do glaucoma, pois sabe-se que a pressão intra-ocular sofre oscilações nas 24 horas. Geralmente se faz de 3 a 4 medidas distribuídas entre as 8 e 18 horas. É aconselhável que o exame não seja feito com a pupila dilatada, devida a alteração que a PIO sofre com o colírio.

FUNDOSCOPIA SOB MIDRÍASE

É um exame realizado para avaliar a estrutura interna do olho e registrar aspectos da retina.

GONIOSCOPIA

A Gonioscopia é um exame que utiliza uma lente especial para o estudo do ângulo da câmara anterior do olho, onde é realizada a drenagem do humor aquoso (líquido que preenche a câmara anterior). A indicação da Gonioscopia é fundamental para o diagnóstico, tratamento e prevenção do glaucoma.

MAPEAMENTO DE RETINA

Mapeamento da retina é um exame complementar (não faz parte da consulta normal) onde todo o fundo do olho e as suas estruturas são avaliados. Difere da fundoscopia simples porque neste exame só as estruturas centrais do fundo do olho são visualizadas. O mapeamento da retina é feito com a utilização de um aparelho chamado oftalmoscópio indireto e com o auxílio de uma lente que o médico segura entre o olho e o aparelho, a qual neutraliza o poder de refração da córnea e assim permite a visualização das estruturas internas. Devido à forte luz utilizada, mesmo em olhos com opacidades de meios como catarata ou doenças da córnea, o exame é possível.

TESTE DE SOBRECARGA HÍDRICA

O teste de sobrecarga hídrica foi proposto recentemente com a finalidade de verificar como um determinado olho se recupera de uma elevação transitoria da pressão intra-ocular. O pico de pressão ocular obtido durante a realização do teste se correlaciona com o pico de pressão que ocorre durante as 24 horas do dia. Durante o teste faz-se medidas da pressão intra-ocular antes e após a ingestão de 01 litro de água.

TESTE DE VISÃO DE CORES

A percepção de cores é função de receptores na retina (cones) de três tipos que são sensíveis ao azul, verde ou vermelho. Várias doenças podem comprometer a percepção das cores que são analizadas através de testes específicos (Ishihara, HRR). Defeitos congênitos (como daltonismo) e doenças do nervo óptico causam confusão no eixo verde/vermelho e doenças adquiridas na mácula tendem alterar a percepção de azul/amarelho.

TONOMETRIA DE APLANAÇÃO

Permite a medida da pressão intra-ocular, fundamental para o diagnóstico de glaucoma. A medição mais precisa é realizada como o tonômetro de Goldmann, que se realiza na lâmpada de fenda com a utilização de corante (fluoresceína). O tonômetro de sôpro é menos preciso e deve ser utilizado somente para triagem.

TONOGRAFIA COM PASCAL

Permite o registro contínuo da pressão intra-ocular. Ao fornecer os valores de pressão sistólica e diastólica (máxima e mínima), permite que se avalie a pressão de perfusão do olho, indiretamente importante na nutrição da cabeça do nervo óptico. Por não sofrer interferência da espessura da córnea, oferece valores mais confiáveis da pressão intra-ocular nos casos de córneas muito finas (como nos olhos que foram submetidos a cirurgia refrativa) ou muito espessas.

FOTO DOCUMENTAÇAO DO NERVO ÓPTICO ATRAVÉS DE RETINOGRAFIA SIMPLES

A estéreo foto de papila é uma fotografia colorida do disco óptico (cabeça do nervo óptico) revelada em slides. Com a ajuda de um óculos especial podemos avaliar o nervo óptico em três dimensões, obtendo dados importantes no diagnóstico e evolução do glaucoma. Podemos ainda fazer uma comparação das áreas afetadas. Hoje, com os modernos retinógrafos, essas fotografias são feitas através do sistema de estereoscopia, podendo ser vistas no formato 3D.

CATARATA

O tratamento disponível e reconhecido cientificamente para a Catarata é, sem dúvida, a intervenção cirúrgica para a remoção do cristalino opaco. O cristalino é uma lente natural, que pode ser retirado por facoemulsificação (um aparelho que usa ultrassom para triturar e aspirar o cristalino), que tem a vantagem de exigir corte menor e ausência de suturas. Em seguida, uma lente artificial é implantada, substituindo o cristalino e eliminando o problema, evitando que o paciente seja obrigado a utilizar óculos de alto grau. O objetivo da cirurgia – simples, rápida e feita sob anestesia local – é substituir o cristalino danificado por uma lente artificial que recuperará a função perdida. Poucos dias após a operação, não havendo nenhuma outra doença ocular associada, o paciente recupera sua acuidade e retoma suas atividades normais, como ler, trabalhar, costurar, ver TV e outros. De acordo com a Sociedade Americana de Catarata e Cirurgia Refrativa (EUA), 98% dos pacientes apresentam melhora da visão após a cirurgia. Uma visão melhor do que os pacientes tinham, antes de desenvolverem a catarata. Uma vez removida, a catarata não voltará.

GLAUCOMA

Trata-se de uma cirurgia dos olhos que tem como objetivo a drenagem e a diminuição da pressão intra-ocular (principal sintoma do glaucoma), evitando assim lesões graves ao nervo óptico. Também temos, em alguns casos, a necessidade de implantes de tubos de drenagem para acelerar o processo de perda ou diminuição da pressão intra-ocular. A cirurgia de glaucoma é indicada para pacientes nos quais o tratamento clínico com colírios não é o suficiente para controlar o aumento da pressão intra-ocular e reter a evolução do glaucoma, sendo necessário o procedimento cirúrgico. A cirurgia de glaucoma pode ser realizada a laser, chamada de trabeculoplastia, que é a técnica mais utilizada no momento, que traz poucos efeitos colaterais e efeitos adversos para o paciente submetido a este tratamento de glaucoma. Nesta cirurgia a laser é feita a drenagem do fluido para fora do olho, sendo que alguns pacientes precisam continuar tomando medicamentos depois do procedimento para efetivar resultados. Existe também a trabeculectomia, que é uma intervenção cirúrgica convencional, onde é realizado um dreno no olho para diminuir a pressão intra-ocular, este tipo de tratamento é necessário o uso de anestesia local e relaxante para diminuir o desconforto do procedimento

CIRURGIA DE MIOPIA, HIPERMETROPIA E ASTIGMATISMO COM EXCIMER-LASER

A aplicação de técnicas com Excimer Laser para modificar a forma da córnea com o objetivo de corrigir transtornos da refração é denominada Cirurgia Fotorrefrativa. Excimer Laser é um tipo especial de laser capaz de retirar camadas muito finas do tecido da córnea, sem produção de calor. Há dois tipos de cirurgia da córnea por Excimer Laser:
• Cirurgia Fototerapêutica, para remoção de tecido da córnea de modo a corrigir alguma doença ocular, também conhecida como PTK;
• Cirurgia Fotorefrativa, que remove tecido da córnea para corrigir um problema de refracção, também conhecida como PRK. Relativamente à PRK, o Excimer Laser pode corrigir os erros de refracção como miopia, astigmatismo e hipermetropia.
A técnica cirúrgica PRK foi desenvolvida com o advento da correção visual a laser. O oftalmologista anestesia a córnea do paciente com colírio e remove uma pequena parte da superfície com um dispositivo especial. O excimer laser remodela a forma da córnea atuando sobre sua superfície por menos de 1 minuto. O cirurgião poderá colocar, então, uma lente de contato para proteger a área tratada, evitar infecção e reduzir o desconforto durante a cicatrização. A lente será removida dentro de um a três dias após a cirurgia. A visão melhora gradualmente nas duas primeiras semanas e poderá alcançar o resultado definitivo entre quatro e oito semanas. Durante esse período o cirurgião poderá prescrever o uso de colírios. Após a cirurgia por Excimer Laser, o desconforto é mínimo. No entanto, a visão do olho tratado será embaçada nos primeiros dias até que a camada mais externa do epitélio corneano se desenvolva novamente. A maioria dos olhos são sensíveis à luz (fotofobia) devido à perturbação na estrutura da córnea. Óculos de protecção solar devem ser usados quando o paciente é exposto a muita luminosidade, pelo menos nos primeiros meses após a cirurgia. Os resultados podem variar conforme os diversos graus de miopia e também conforme a velocidade de cicatrização de cada indivíduo. Pacientes com graus menores de miopia , por exemplo, conseguem visão mais clara mais cedo. Uma visão estável é esperada entre três a seis meses após a cirurgia.

CIRURGIA DE PTERÍGIO COM TRANSPLANTE DE MEMBRANA CONJUNTIVAL

Quando o crescimento do pterígio sobre a córnea ultrapassa 2,5 mm, há distorção da curvatura corneana, com repercussão sobre o erro refracional. Se negligenciado, o pterígio pode, ocasionalmente, aumentar ainda mais, encobrindo parcial ou totalmente o eixo visual. A indicação do oftalmologista pela realização da cirurgia é feita quando há ameaça real à visão ou se esta já se encontra comprometida. Uma vez decidida a remoção do pterígio, temos optado pela técnica cirúrgica que utiliza o transplante conjuntival, que abrange a exerese de pterígio e a reconstrução com transplante de conjuntiva. Esta técnica proporciona bons resultados estéticos e taxas de recidiva muito baixas. A cirurgia que emprega o transplante conjuntival dura cerca de 40 minutos. A anestesia do olho é feita com colírio, podendo ser também tópica e local. Após a remocão do pterígio, é retirada a conjuntiva doadora do quadrante supero-temporal, que é suturada, no leito escleral. Os pontos são causa de irritação leve até sua remoção, ao final da primeira semana. O transplante assume um aspecto natural, em cerca de 15 dias.

CIRURGIA DE DESCOLAMENTO DE RETINA

O vítreo é uma espécie de gelatina transparente que preenche o globo ocular, firmemente preso à retina. Com o envelhecimento, o vítreo pode soltar-se sem que isto, obrigatoriamente, cause danos à visão. Entretanto, ao soltar-se, o vítreo às vezes rasga a retina em um ou mais pontos de maior aderência. Se isto ocorrer, o vítreo pode passar pelo(s) rasgo(s), e provocar o descolamento da retina. Se o descolamento for parcial, a visão pode perder a nitidez. Em caso de descolamento total, a visão pode desaparecer. A doença geralmente ocorre após os 40 anos. Apresentam possibilidade de desenvolvê-la, as pessoas que possuem história de descolamento de retina na família, as que têm miopia ou glaucoma e as que se submeteram à cirurgia de catarata. Os socos ou acidentes que resultem em ferimento, pancada ou batida forte no olho, na face ou na cabeça podem, também, provocar descolamento de retina. A doença pode ser, ainda, causada por tumores, inflamações graves ou complicações do diabetes. Os descolamentos de retina são tratados por cirurgias destinadas a pressionar a parede do globo ocular contra os rasgos da retina, mantendo os tecidos juntos até que os rasgos cicatrizem-se. A técnica escolhida dependerá das características do problema e do dano ocorrido. As cirurgias de descolamento de retina são realizadas em centro cirúrgico sob anestesia local ou geral. Nos casos de descolamentos mais complexos pode haver ainda necessidade de uma vitrectomia, em associação com outras técnicas.

VITRECTOMIA

Vitrectomia é o nome que se dá à técnica de cirurgia do corpo vítreo, o fluido gelatinoso que preenche o interior do globo ocular. Ela é indicada no tratamento de diversas patologias oculares, tais como: buraco de mácula, membrana epiretiniana, membrana sub-retiniana, descolamento de retina, retinopatia diabética, tromboses venosas e retinopatia da prematuridade. A vitrectomia pode ainda ser indicada em casos de complicações das cirurgias intra-oculares como as de catarata, inflamações e infecções intra-oculares, complicações do trauma ocular, descolamento de coróide seroso ou hemorrágico, reposicionamento da lente intraocular para o vítreo e edema macular cistóide. Existem ainda outras indicações menos freqüentes. A cirurgia de vitrectomia é precedida de exames oftalmológicos e seguida por uma seqüência de procedimentos pré-operatórios. A internação se dá, normalmente, no dia da operação e exceto em casos especiais, o paciente não deve se alimentar e nem tomar água no mesmo dia. Na maioria das vezes, a cirurgia é realizada com a aplicação de anestesia local, sempre em ambientes adequadamente compostos por equipamentos sofisticados. A operação é feita através de três ou quatro micro incisões que permitem a utilização de minúsculos instrumentos como pinças, tesouras, pontas de laser e sondas. Em casos específicos, utiliza-se instrumentos de micro-calibre que dispensam os pontos no final da cirurgia.

PLÁSTICA OCULAR PARA CORREÇÃO DE PTOSE, BOLSAS DE GORDURA

A cirurgia plástica é uma área especializada da Oftalmologia que lida com deformidades e anormalidades das pálpebras, do sistema lacrimal, da órbita - cavidade óssea que circunda o olho - e de áreas da face anexas aos olhos. O cirurgião oculoplástico é um oftalmologista que tem treinamento adicional em cirurgia plástica de olhos e estruturas anexas, onde se destacam as pálpebras. A MEG realiza diversas cirurgias para correção de problemas relacionados à plástica ocular, dentre eles, destacamos os seguintes:
• Bolsas palpebrais: geralmente, aparecem como resultado de tendências hereditárias ou com a idade. As bolsas são formadas por pele, músculo e gordura que tombam para frente, formando uma proeminência e dando aspecto característico de "bolsa palpebral".
• A blefaroplastia é a cirurgia indicada para corrigir essas deformidades. Ela pode ser reconstrutiva ou estética, dependendo da severidade do problema e do quanto a visão está prejudicada;
•Retração: as doenças da tireóide (hipertireoidismo) podem acometer os olhos levando à protusão do globo ocular para fora ou à retração das pálpebras ("olhos arregalados");
• Pálpebras caídas ou ptose palpebral: ocorrem quando a pálpebra superior ou inferior cai. Quando a queda da pálpebra é acentuada, parte da pupila fica coberta, bloqueando o campo da visão.

DRENAGEM DE CALÁZIO

Calázio é uma tumefação da pálpebra causada pela inflamação (granulomatosa crônica) de uma das glândulas que produzem material sebáceo (glândulas de Meibomius) localizadas nas pálpebras superior e inferior. O calázio às vezes é confundido com um hordéolo, ou também chamado terçol, que também aparece como uma tumefação na pálpebra. O hordéolo é uma infecção de um folículo ciliar que causa um nódulo avermelhado e doloroso na borda palpebral. O calázio é uma reação inflamatória ante uma obstrução da secreção sebácea pela glândula. Não é causada pela presença de bactérias, todavia a área afetada pode se tornar infectada por bactérias. Quando um calázio agudamente infectado não responde a tratamento clínico, a incisão e drenagem da lesão causam alívio imediato. Após anestesia local, a pálpebra é invertida e uma pequena incisão vertical é feita no lado interno da pálpebra. 0 conteúdo do calázio é então drenado através desta incisão. Este procedimento é indolor e não requer sutura, na maioria dos casos. 0 único sinal visível deste procedimento é um discreto edema na pálpebra afetada, que desaparece em poucos dias. Um curativo é colocado sobre a pálpebra, durante algumas horas, para evitar sangramento e diminui o edema. Colírios ou pomadas são usados durante alguns dias. Pode haver recorrência do calázio no mesmo local ou adjacente à localização inicial.